quinta-feira, dezembro 23, 2004

Feliz Natal


Um grande Natal são os meus sinceros desejos a toda a blogoesfera, com especial incidência naqueles que ao longo do ano visitaram o Ácido e todos os autores dos blogs por onde costumo navegar.

BOAS FESTAS

Para os mal comportados


A todos aqueles que se portaram mal este ano (alguns foram os principais protagonistas da nossa blogoesfera), só me resta desejar que melhorem o seu comportamento ou desapareçam da nossa vista.

Não é paradoxal?

No mesmo dia em que promulgou os diplomas que dissolvem a Assembleia da República e marca a data das eleições antecipadas, Jorge Sampaio promulgou, também, o Orçamento de Estado para o ano de 2005.

Isto não soa mal? Não existe um paradoxo entre estes actos? Será que sou só eu que estou a ver mal ou existe aqui uma medida politica que visa, unica e exclusivamente, ficar bem com Deus e com o Diabo?

Estou cada vez mais convencido que o Presidente não tem uma ideia coerente e objectiva dos seus poderes enquanto tal.

quarta-feira, dezembro 22, 2004

Emigrava já!


O Pinto da Costa foi recebido pelo Presidente do Governo Regional da Madeira e na cordial troca de galhardetes disse algo que me arrepiou. O Alberto João Jardim deveria ser Presidente da Républica para que fizesse por toda a nação a obra que tem feito na Madeira.

Perante este cenário hipotético, dei por mim a pensar no Governo de Portugal: Se o Alberto João era Presidente, o Pinto da Costa era 1.º Ministro, o Major Valentim Loureiro era Ministro de Estado e da Defesa, Xico Louçã Ministro das Finanças, Isaltino Morais Ministro da Economia, Vale e Azevedo Ministro da Justiça, Fátima Felgueiras Ministra da Administração Interna, Luis Filipe Meneses Ministro da Educação, Pinto de Sousa Ministro do Desporto, Odete Santos Ministra da Saúde e, a cereja em cima do bolo, Carlos Candal como Presidente da Assembleia da República.

Só de pensar que isto podia ser realidade, apetece-me emigrar. Nem que seja para o Sudão.

Sede de poder


Numa altura em que as nossas contas públicas ainda não estão regularizadas, em que a UE vai fazendo avisos (ainda) discretos aos Paises que não vão cumprir o PEC, em que o Governador do Banco de Portugal (socialista distinto) vai avisando que é necessário conter a despesa pública e incrementar a despesa, o PS e o seu demagogo lider vai prometendo facilidades atrás de facilidades, não aumentar os impostos, acabar com algumas portagens, etc.(estamos bem entregues, estamos, já não chegava o Santana).

A sede do poder tem destas coisas. Só que ainda não nos explicou como é que vai fazer esse número de magia, ou seja, aumentar a despesa através do investimento público, diminuir as receitas e cumprir o PEC. Sejamos sérios. O Eng. Sócrates sabe que vai ser o próximo PM, logo deveria assumir uma postura responsável e arranjar soluções concretas que resolvam este, e outros, problemas. Mas não. Na sua linha vazia de ideias, promete mundos e fundos e quando chegar ao poder logo se vê, ou seja, já está a enganar os portugueses.

Já agora convinha que não se rodeasse de todo o núcleo duro guterrista pois estes já demonstraram a sua capacidade para governar, ou seja, nem sequer lhes posso dar o benefício da dúvida. Com o risco deles se pirarem se as coisas correrem mal.

Exemplo a seguir


Não considero que o Brasil seja um exemplo a seguir seja a que nível for mas hoje fui surpreendido com uma noticia que dignifica o Governo que a toma. Com o intuito de fazer face à falta de hábitos de leitura dos brasileiros, o Governo resolveu isentar de impostos a produção e comercialização de livros.

Ora, aqui está um exemplo que deveria ser seguido deste lado do Atlântico. Apesar de crêr que existe um crescente hábito de leitura entre os portugueses (e não estou a falar só d"A Bola" ou do "Record"), ou pelo menos vê-se mais pessoas a ler nos transportes públicos ou nos cafés. Mas ainda não basta. O livro continua a ser encarado como um objecto "de luxo" e o seu preço médio rondará os 15€/20€, sendo que uma boa parte dessa quantia seja para o Estado. Talvez seja altura deste abdicar desse dinheiro em prol da culturização dos portugueses.
Vai dai, talvez o Estado não pretenda que os portugueses fiquem mais inteligentes sob pena de atirar ao mar toda a classe politica que temos.

segunda-feira, dezembro 06, 2004

Incoerência

Esta situação já me começa a chatear. Já manifestei o meu apoio à decisão do PR em dissolver a AR mas, agora pergunto, em que é que estamos? É ponto assente que vamos para eleições antecipadas mas já alguém se dignou a nos dizer alguma coisa? Onde está o PR? Não deveria fazer uma comunicação ao país? Explicar as suas decisões? Ou estará à espera de marcar o dia das eleições para nos dizer qualquer coisa?

E já agora, que lógica impera quando o Governo que perde a confiança politica do PR mesmo assim tem poder para fazer aprovar o orçamento de estado? Não servem para governar mas podem propor e fazer aprovar um OE que, eventualmente, não será executado por eles? Onde está a lógica? Ainda por cima se o PS ganhar as próximas eleições poderá responsabilizar este Governo por alguns dos seus erros porque o OE não será deles. E com razão.

Pois é Senhor Presidente, pela incoerência que tem demonstrado nos últimos dias, a sua conduta deixa um pouco a desejar, e quem vai pagar a factura por isso será o povo português.

O atentado de Camarate



“Camarate foi um atentado”, diz a ultima comissão constituída para analisar o que se passou naquela fatídica noite de 4 de Dezembro de 1980. “Qual é a dúvida” digo eu?

Por tudo que já se fez ao longo destes 20 anos, qualquer analise mais seria dos factos só podem concluir pela tese de atentado. Todo o resto é tentar “mandar areia para os olhos” dos portugueses e tentar criar dúvidas no espíritos daqueles que nada mais querem do que saber a verdade. Mas a verdade é só uma: Francisco Sá Carneiro, Adelino Amaro da Costa e todos aqueles que estavam dentro daquele Cessna foram assassinados e só a implicação directa de pessoas que foram, ou ainda são, relevantes na vida politica e/ou militar deste país explica que até hoje ainda não se tenha, sequer, tentado fazer justiça. Enquanto esta situação assim se mantiver não me sinto à vontade para gozar com os americanos que acreditam que Lee Oswald (o assassino de JFK) agiu sozinho. Nós temos Camarate.

P.S. Leiam o livro “Camarate” de Augusto Cid na versão não censurada, com mais de 1000 páginas (sim, porque nos anos oitenta (?!) o livro foi censurado e começou a ser publicada uma versão mais pequena com 300/400 páginas. Porquê?)

quarta-feira, dezembro 01, 2004

O Presidente teve sempre razão


O Presidente teve razão em empossar este Governo há 4 meses atrás. Fê-lo na convicção, a meu ver correcta, que o estado do pais requeria uma estabilidade politica que tinha todas as condições para ocorrer. Hoje, e em face de tudo o que aconteceu entretanto, de todo o defraudar de expectativas que houvesse face à actuação do Governo de Pedro Santana Lopes, nada mais restou a Jorge Sampaio senão dissolver a Assembleia da Républica e convocar eleições antecipadas.

O Presidente cumpriu, ao contrário do que alegam os seus ex-amigos, o seu papel com o devido distânciamente e em função da salvaguarda de interesses maiores (nacionais) e não de interesses politicos e particulares. Perante a actuação de PSL e seus pares, o Presidente entendeu, mais uma vez bem, proceder à dissolução da Assembleia da República.

Vir, hoje, dizer que se perdeu tempo e que já deveria ter convocados eleições anteriormente é pura demagogia porque nenhum de nós saberia da aptidão de PSL para ser PM. Hoje já sabemos: é nula.

Definitivamente, o homem que se diz discípulo de Sá Carneiro (presumo que este ultimo lhe terá apertado a mão um dia) nada aprendeu com o "mestre", e graças a ele (PSL) o PSD não cumprirá o maior sonho de Sá Carneiro nos próximos 10 anos.

terça-feira, novembro 30, 2004

Zangam-se as comadres


É pública a polémica que envolveu a nomeação deste Governo e a nossa blogoesfera é um terreno no qual esse descontentamento é por demais manifestado. Confesso que não faço parte desse grupo porque defendo, e sempre defendi, que a estabilidade governativa é fundamental para o desenvolvimento do pais. Esta estabilidade não deve ser conseguida a todo o custo mas, a realidade com que o Dr. Jorge Sampaio se deparou aquando da tomada dessa decisão, não era nem de perto nem de longe, uma situação limite.

Perante esta realidade incumbia a Pedro Santana Lopes provar a todos aqueles que discordaram da sua nomeação que estavam errados. Independentemente das politicas que adoptasse tinha a obrigação de manter uma imagem de estabilidade, preservando-se a si e ao Presidente.

Ora, o que aconteceu foi exactamente o contrário. PSL permite um conjunto de quesilias, amuos e uma grande descordenação do seu Governo e assim vem dar razão áqueles que sempre foram contra a sua nomeação. O episódio "Henrique Chaves", santanista convicto, amigo pessoal e colega de escritório, é uma situação que deve merecer a nossa melhor atenção. Quando sao os amigos a fazer criticas daquela natureza, alguma coisa está muito mal.

sábado, novembro 27, 2004

Agora é sempre a cair


A vida politica do PCP, nos ultimos 15/20 anos, tem sido muito complicada. Caiu o Muro de Berlim, os paises do bloco de leste e o partido nunca se soube actualizar face a estes importantes acontecimentos. São famosos os percalços pelos quais o partido tem passado e sempre acompanhados por resultados eleitorais muito negativos (que só eles é que não admitem).
Agora, na altura de proceder à eleição (se é que posso chamar tal acto de eleição) do novo secretário-geral, o PCP apresenta como opção Gerónimo de Sousa, e isto vem revelar que a politica do partido continua tão acertada como tem sido nas ultimas décadas.
Tal como Salazar, que eles sempre detestaram, estão cada vez mais "orgulhosamente sós".

quinta-feira, novembro 25, 2004

Refresh

Considerando a minha prolongada ausência das lides, fiz um apanhado de todos os temas sobre os quais me apeteceu fazer um post, e não fiz. A Saber:

1. Por causa do referendo sobre a constituição europeia (em letra pequena), foi proposta uma pergunta que preenche todos os requisitos que uma pergunta desta natureza não deve ter. Será que ninguém viu isto ou, como afirmam certas fracções da nossa sociedade, o Governo quer fomentar a abstenção neste referendo?
Eu não acredito nisso. Julgo que foi só mais uma demonstração de incompetência.

2. Não sou fumador mas conheço muito boa gente que é, e sempre defendi que tanto uns têm o direito de não fumar como outros têm o direito de o fazer. Importa, pois, conciliar estas posições e respeitar os direitos individuais de cada um.
Isto é muito bonito de se dizer mas a prática tem-me criado uma certa revolta esta "ditadura do fumador". Eles fumam quando querem, onde querem e os outros (os fumadores passivos) se estão mal que se mudem. Porra, poucas coisas me enervam mais que estar a almoçar num qualquer restaurante e começar a ser "bombardeado" com o fumo de alguém que está numa mesa própria e que já acabou a sua refeição. Ora, como dizem que fumar depois de comer dá muito prazer, finda a refeição lá estão eles a puxar do seu cigarro. Se tirassem macacos do nariz incomodavam-me menos.

3. Canas de Senhorim. Que dizer daquelas alminhas? Querem ser concelho? Querem lutar por isso? Por mim tudo bem, mas isso não lhes dá o direito de fazerem o que muito bem entendem e, se porventura, colocam em causa a ordem pública, portanto, acho correcto que enviassem para lá as forças policiais necessárias a repor a ordem. Achei curioso aqueles que, perante a intervenção da policia, diziam que tínhamos “voltado aos tempos de Salazar” ou “estávamos num Estado de direito”.
Efectivamente estamos num Estado de direito, um direito colectivo e não individual e que não se deve vergar perante interesses particulares. Por outro lado, se isto funcionasse à moda de Salazar, eles não tinham tido a possibilidade, e quiçá a coragem, de sequer manifestar as suas vontades. Portanto, dispensam-se os disparates.

4. Mário Soares, do alto da sua infindável sapiência, veio dizer que Portugal está perto da revolta popular, o que não acontecia desde o 25 de Abril de 1974. Parece que este senhor se esqueceu do PREC ou dos tempos em que era agredido na Marinha Grande. Esta intervenção só vem reforçar a ideia que muitos de nós temos sobre ele. Definitivamente, ele está senil.

terça-feira, novembro 23, 2004

Deve ser a retoma

O trabalho ultimamente tem sido tanto que não tenho dado a devida atenção a este blog. Pelo vistos a tão falada retoma está a chegar (nem que seja a retoma do trabalho em grande quantidade).

Prometo vir mandar uns bitaites na primeira oportunidade.

domingo, novembro 14, 2004

Ai, se fosse ao contrário


Imaginemos que um qualquer cidadão do mundo, dito, ocidental se dirigia para um pais islamico e por qualquer motivo, fosse ele fútil ou não, resolvia matar um homem porque assim o entendeu. Imaginemos que o esfaqueava, baleava e degolava (por esta ordem). Quais seriam as consequências que daqui podiam advir? Estariam todos os outros "ocidentais" a salvo da fúria da população? Haveriam consequências em termos diplomáticos? Em quantas partes seria cortado o assassino?

Foi isto que aconteceu na Holanda só que ao contrário. Van Gogh, realizador de cinema holandês, por ter feito um filme que retrata a vida das mulheres muçulmanas foi assassinado pela forma acima descrita, numa rua do seu pais. Entretanto já alguém pegou fogo a uma mesquita lá do burgo.

Quem conhece a Europa central sabe que nestes paises existe uma tensão racial crescente que só tende a aumentar com este tipo de actos. Seria bom que os emigrantes (sejam eles de onde forem) deixasse os seus hábitos ancestrais "em casa" e não levassem este tipo de comportamentos para os seus paises de acolhimento. Se nós levarmos o nosso comportamento quotidiano para "casa deles", no mínimo, ainda nos cortam qualquer coisa.

Começo a estar farto desta postura. 15 anos depois de Salman Rushdie, estes senhores continuam a condenar à morte quem lhes apetece e a cumprir essa sentença com a maior naturalidade porque, para eles, a vida humana é qualquer coisa de insignificante.

quarta-feira, novembro 10, 2004

Parece a URSS


Esta história em torno do estado de saúde (se é que ele ainda a tem) de Arafat já começa a meter nojo. Qual o seu verdadeiro estado clinico? O homem ainda está vivo ou já morreu? Julgo que, pelas funções que desempenha, estas questões têm de ser clarificadas perante a opinião pública. Afinal de contas ele é o lider do povo palestiniano e todos os seus seguidores ou não (eu estou no 2.º grupo) têm o direito de saber o que se passa com ele.

De outro modo, parece que voltamos aos tempos da antiga URSS em que os lideres morriam mas o Kremlin dizia que eles estavam doentes, passado uma semana pioravam um pouco mais, e só comunicavam a sua morte quando o fedor do corpo em decomposição era tal que não se podia estar na Praça Vermelha.

Será que o Arafat irá ter o mesmo fim?

quinta-feira, novembro 04, 2004

terça-feira, novembro 02, 2004

É hoje


Os americanos vão hoje às urnas para escolher o seu próximo Presidente. Espero que desta vez ganhe aquele que, efectivamente, tenha mais votos e que o povo americano nos prove que não é tão burro como nós pensamos.

E que não ganhe o Bush.

segunda-feira, novembro 01, 2004

Super Dragões


As claques de futebol organizadas têm criado alguns dos principais problemas que têm surgido no futebol português. Se por um lado posso entender o seu papel como apoio das equipas (especialmente quando jogam fora do seu terreno), também é verdade que muitas vezes o seu comportamento é, no minímo, reprovável. E este comportamento tem tendência a ser directamente proporcional à dimensão da própria claque.Por outro lado, as direcções dos clubes tendem a compactuar com estes comportamentos porque, muitas vezes, o relacionamento entre ambas são pouco transparentes e existem interesses instalados que não podem ser questionados.


Apesar de não existirem inocentes nestas histórias, hoje vou-me centrar unicamente nos Super Dragões. Desde há muito que o seu comportamento não é bom (quem não se lembra do que faziam aos comboios e às estações de serviço quando viajavam para sul?) mas esta claque, ao contrário do que aconteceu pontualmente com as claques do SCP e do SLB, sempre teve todo o apoio da direcção do FCP, com especial enfâse no seu Presidente.Ora, quando as coisa correm bem é só amores, beijinhos, cantigas e outras tretas tais, mas o pior é quando as coisas começam a correr mal. Antigamente, nestas circunstâncias ai-se para os treinos e chamava-se nomes aos jogadores, agora esperam-se no aeroporto, insultam-se, perseguem-se e até se ameaçam de morte (depois do Mourinho, isto está-se a tornar hábito lá para os lados dos Super Dragões).

Mas quem é que estes gajos pensam que são para agirem desta maneira? Resposta: os melhores do mundo porque o FCP continua a apoiá-los e perantes estes factos nada diz (e eles falam por tudo e por nada). Se um dia acabarem por matar alguém eu quero ver a quem serão atribuidas as responsabilidades.E a continuarem agir deste modo, isso vai acabar por ser inevitável. E nessa altura se o Pinto da Costa colocar lá a namorada para ser escoltada pelos Super Dragões e pelo guarda Abel, eles não só lhe "comem" a namorada como ainda "comem" o guarda Abel.
E o pior é se ela gosta.

domingo, outubro 31, 2004

Os Estados dentro do Estado


Portugal 2004.
Uma empresa de média dimensão e com mais de 20 anos de existência desenvolve a sua actividade com relativo sucesso. Por questões de contingência empresarial os seus principais clientes vão-se tornando, com o passar do tempo, essencialmente, empresas estatais nas suas mais variadas vertentes.

A principio estas empresas pagam as facturas que lhes são remetidas a 60 dias, mas de repente, passam a pagar a 90, depois 120, 180 e já são inúmeros os casos em que as facturas demoram mais de 1 ano a serem liquidadas. Perante esta situação, a referida empresa começa a ter problemas de tesouraria e, a fim de preservar os postos de trabalho existentes, deixa de pagar o IVA correspondente, afinal de contas este resulta de um conjunto de facturas que não foram pagas por entidades que são o próprio Estado.

Resultado? A empresa é inspeccionada e intimada a pagar umas centenas de milhares de euros de IVA que nunca devolveu ao Estado mas, diga-se em abono da verdade, o Estado também nunca lhe pagou. Confrontada com esta situação, a administração tributária afirmou nada ter a ver com esse facto, e apesar das facturas não pagas serem referentes a serviços prestados a entidades estatais, para eles (administração tributária) isso é totalmente irrelevante. Mais, acrescentaram que esta situação é susceptível de fazer incorrer os administradores da sociedade em responsabilidades criminais cuja sanção pode ser, até, pena de prisão. A empresa já afirmou que se as facturas não forem pagas a tempo de liquidar o IVA, terá de despedir trabalhadores e ponderar o seu próprio futuro porque não pode continuar a laborar para entidades que nunca pagam atempadamente.

Que o investimento publico seja "0" (zero) nós já sabemos, mas que agora se dediquem a tramar aqueles que investem e querem produzir, isso já é uma novidade. Desde à muito que o Estado é mau pagador, mas a irresponsabilidade e até a imoralidade começam a ser demasiado descaradas nas suas atitudes.

sexta-feira, outubro 29, 2004

Os bastidores agitam-se


Quando parece que o Bush começa a perder algum peso nas sondagens para J. Kerry, eis que surgem noticias que demonstram uma certas agitação nos bastidores das eleições.

Na Alemanha, numa base americana, é feita campanha eleitoral pró-Bush num terreno no qual ele possui muito eleitorado e, apesar disso ser contra a lei, ninguém diz nada. Esses soldados já começaram a votar por voto electrónico sem qualquer problema. Mas, também na Alemanha, os cidadãos americanos que trabalham na multinacional Siemens (e crê-se que maioritáriamente democratas) não conseguem exercer o seu direito de voto porque o sistema electrónico não funciona.

Na Flórida (outra vez) desapareceram mais de 60.000 boletins de voto que são imprescidiveis para que outros tantos eleitores possam exercer o seu direito. Por "coincidência" estas coisas tendem a acontecer no Estado onde o mano Jared é Governador.

Por fim, especialistas em informatica têm criticado imenso o sistema de voto electrónico implantado porque, dizem eles, é extremamente vulnerável e permite que uma acção criminosa possa distorcer os resultados finais. Isto num pais que é lider nestas tecnologias.

A democracia americana continua a revelar-se um flop comercial no qual só acreditam os pobres de espirito.

quinta-feira, outubro 28, 2004

Este Governo é burro


Finalmente o Prof. Marcelo pronunciou-se sobre a sua saida da TVI. Perante a AACS, e o país, o professor disse das suas razões e agora importa saber se dai advém alguma consequência para alguém.

Não nos deixemos enganar. Em Portugal, e desde sempre, os Governos sejam de que côr for, sempre tentaram instrumentalizar a seu gosto os órgãos de comunicação social e em especial a TV. Seja para fazer campanha a seu favor ou para calar as vozes discordantes. Em finais dos anos 70, já o Manuel Alegre, enquanto Secretário de Estado para a Comunicação Social, se mexia nos bastidores para calar as vozes discordantes do seu Governo. E isso parece ser exactamente o que este Governo faz, mas com uma diferença. Seja por impetuosidade ou por necessidade de mediativismo, este Governo faz questão de tornar públicas todas as suas asneiras. Se têm agido do mesmo modo mas o Rui Gomes da Silva não tem dito nada, isto nunca tomava estas dimensões. Mas não. Tinham de falar porque aquelas bocas não conseguem estar fechadas. Agora assumam as consequências.

Uma palavra final para aqueles jornalistas que, quais paladinos da classe, agora assumem que já sofreram muitas pressões mas que nunca cederam. Será que nunca cederam? Porque nunca referiram esse assunto, e agora, atendendo ao caso Marcelo, trazem essas questões para cima da mesa? Com que fim? Quando é que eles foram sinceros? Na altura ou agora? De pessoas destas eu tendo sempre a desconfiar.

terça-feira, outubro 26, 2004

Publicidade à portuguesa

É conhecida a apetência nacional para a brejeirice. Uma piada para fazer rir basta ter uma caralhadas pelo meio e toda a gente ri desalmadamente (hás vezes a anedota não tem que acabar, basta dizer uma asneira e o efeito é o mesmo). Por outro lado, quando as ideias escasseiam e os resultados obtidos não são os desejados, mostram-se uns cús e umas mamas e recupera-se imediatamente (p.e. "Herman SIC").

Esta conversa vem a propósito desta publicidade que, à falta de melhor, uma empresa de ar condicionado nos diz que dá "a temperatura ideal no local certo" e remete-nos para as partes fodengas de uma mulher. Perante isto só posso concluir uma de duas coisas: ou aquilo está tão quente, suado e mal cheiroso que nenhum gajo no seu juizo perfeito lhe toca; ou por outro lado, está muito frio porque não houve competência para prepará-la para o fim desejado.

Em qualquer um dos casos o gajo que idealizou este outdoor revela conhecer experiências sexuais infelizes, e a empresa que o autorizou deve ser mais uma que estava numa situação económica tão precária que já recorria a todos os meios para chamar a atenção para os seus serviços. Com um bocado de sorte tinha funcionárias a fazer testes ao vivo para que os clientes comprovassem os resultados.

sexta-feira, outubro 22, 2004

O ditado está errado


Fidel Castro é uma figura incontornável da história mundial. Nunca partilhei os seus ideais, discordo da maioria das suas atitudes mas ao mesmo tempo sou obrigado a admirar um homem que tomou o caminho que ele seguiu. Não se limitou a apregoar o comunismo, exerceu, e se existiu (e ainda existe) uma sociedade que mais se aproximou dessa ideologia, é a Cuba de Castro. Não só estabeleceu uma sociedade comunista, como o fez a dezenas de milhares de quilometros do seu maior aliado (a então União Soviética) e a escassas dezenas de quilometros do seu maior inimigo (os EUA). E não caiu.

Mais depressa caiu o muro de Berlim e todos os regimes comunistas do leste europeu, URSS inclusivé, mas Castro ainda hoje se mantém no poder. Sabemos com que custos e o que tem acontecido aqueles que se têm oposto ao seu regime, mas quem já esteve em Cuba sabe que a população, apesar de poder discordar de muitas das suas atitudes, mantém-se ao seu lado.

Este post vem a propósito do Fidel ter partido hoje o joelho ao cair depois de ter proferido mais um dos seus longos e "interessantes" discursos. Isto só vem provar que, ao contrário do que diz o povo, vaso ruim realmente quebra.

quinta-feira, outubro 21, 2004

Democracia

Passei pelo O Uno e o Multiplo e encontrei um link fabuloso.

Vejam o que sofre o comum cidadão do Estado da Flórida quando quer exercer o seu direito de voto nas eleiçoes para escolher o próximo Presidente dos Estados Unidos da América.

Um verdadeiro exemplo de democracia. Aproveitem.

segunda-feira, outubro 18, 2004

A pérola do Jacinto


A Madeira não é só a pérola do Atlantico, mas tem sido também ao longo dos anos, uma grande produtora de pérolas para o anedotório nacional. Agora foi o lider do PS-Madeira, um tal de Jacinto Serrão, que andou durante a campanha eleitoral para as eleições regionais a dizer que queria tirar a maioria ao PSD. Até aqui tudo bem.

O pior é quando esses objectivos não são conseguidos, e ele seguindo o exemplo da mais rigorosa linha dura do PCP e baseado no melhor resultado do partido naquele arquipelago (uns pobres 27%), vem dizer que obteve "um resultado excelente (...) mas se o PS quiser governar a região autónoma terá de ganhar mais eleitores". (???) É obvio, não é? Daaaaaaaaaaaaaaa..............

Até o Cunhal deve estar todo contente por ver que os seus seguidores extravasam as fronteiras do PCP.

O meu derby preferido


Antes de fazer qualquer tipo de apreciação sobre o que aconteceu ontem à noite no estádio da Luz, tenho que deixar, desde já, claro que este é o derby que consigo ver com maior distanciamento porque não sou adepto de nenhum dos clubes, logo, penso que consigo discernir as situações com maior clareza.

No computo geral o FCP terá jogado melhor e apresentado melhor equipa. Por outro lado, o SLB foi literalmente roubado pelo arbitro. Ao contrário do José Veiga, eu só vi um penalti (implicava a amostragem do 2.º amarelo ao defesa do FCP) e um golo limpo que foi anulado pelo arbitro (será que o Scolari não tem razão?). Logo aqui a verdade desportiva está viciada.

Mas o melhor aconteceu na sala de imprensa, depois do jogo. Insultos pessoais proferidos por pessoas que se conhecem muito bem e que em outros tempos foram muito amigas umas das outras. Insinuações sobre a sua vida privada, a indole da namorada do do Pinto da Costa e as suas ligações ao champagne, enquanto que esta estava, coitada, no meio da claques do FCP a mandar "chicos" aos benfiquistas (viu-se bem na TV), tendo de um lado o famoso membro dos super dragões que, alegadamente, terá ameaçado o Mourinho de morte e do outro, surpresa das surpresas, tinha um senhor que em tempos ficou conhecido no futebol português como o "guarda Abel". Mas presumo que terão sido só coincidências.

Depois do Euro2004, um período de união muito estranho no futebol português, que saudades que eu já tinhas destas baixarias domésticas. O Trapattoni disse, no final do encontro, que nunca tinha visto situações destas acontecerem no futebol europeu. As suas palavras sábias, proferidas por alguém que tem um curriculum impar, colocam o nosso futebol, como um todo, no seu devido lugar: América do Sul, porque em Africa ou na Asia não nos queriam.

sábado, outubro 16, 2004

quinta-feira, outubro 14, 2004

Eu, quando for grande...


Quando for grande quero ter uma gasolineira só para mim. É o melhor negócio do mundo. Implemento uma infra-estrutura à beira de uma estrada, contrato meia dúzias de jovens que recruto num qualquer instituto de emprego, pago-lhes o ordenado mínimo e a partir dai é só explorar o negócio que tem um nível de rentabilidade brutal. Ganho, em média, 5/8 cêntimos por cada litro de combustivel vendido e a partir de certa altura aquilo quase que fica em auto-gestão.

Se, porventura, vierem tempos em que os lucros me pareçam reduzidos faço como a Galp e aumento o preço dos combustiveis duas vezes na mesma semana se for preciso. Afinal de contas, o combustivel é um produto de grande e constante procura, logo, os consumidores "comem e calam". Como não existe qualquer tipo de regulamentação séria desta actividade, até me posso juntar com a concorrência, imputar todas as culpas no preço do petroleo nos mercados internacionais e combinar aumentos sucessivos e alternados (não vá alguém pensar que existe aqui uma qualquer prática concertada), e num ano podemos aumentar o preço da gasolina 0,15€ e o gasóleo mais de 0,20€. Afinal de contas, e por muito que refilem, haverá sempre otários que irão abastecer-se lá ao posto.

É tão bom ser empresário do ramo petrolifero em Portugal.

Histórico


Há jogos em que carregamos sobre o adversário, chutamos 50 vezes à baliza e a bola nunca entra. É o guarda-redes, um defesa ou os postes mas ela nunca passa a linha de golo. E se for preciso o adversário faz um contra-ataque e ganha o jogo. Há outros jogos em que cada remate é um golo.

Quantas defesas fez o guarda-redes russo hoje? 2 ou 3 mas foi buscar a bola sete vezes dentro da baliza. Como diz o povo, era "cada tiro, cada melro".

Mais um exemplo prático da passagem de besta a bestial em 4 dias. Mas sabe tão bem.

sexta-feira, outubro 08, 2004

Memória curta


O Dr. Pires de Lima, vice-presidente do CDS-PP, a propósito do caso "Marcelo Rebelo de Sousa" veio à televisão dizer uma coisa curiosa: lamenta que os órgãos de comunicação social possam denegrir a imagem, colocar em causa a honorabilidade e até mentir sobre factos referentes a determinados cidadãos sem que estes tenham a possibilidade de se defenderem. E que isso é uma situação que tem de ser alterada.

Isto pode ser uma grande verdade mas é estranho ouvi-la da boca de alguém que pertence a um partido cujo presidente foi o pioneiro desse tipo de jornalismo. Quem não se lembra do Paulo Portas director d`"O Independente" que até utilizava as obras na casa-de-banho da residência do então 1.º Ministro, Cavaco Silva, para fazer 1.ª páginas para atacar o governo? Quantas 1.ª páginas é que esse pasquim fez à custa de calúnias e histórias mal contadas que visavam figuras do governo ou partido da maioria? Quem é que não se lembra disto? Seguramente, o Dr. Pires de Lima.

quarta-feira, outubro 06, 2004

Ele não faz falta nenhuma

A propósito do inicio da tão badalada "Quinta das Celebridades" (celebridades? nunca ouvi falar de um terço daquela gente) fiquei a saber que um dos mais antigos autarcas deste país vai participar no programa da TVI. Pois é, o famoso Avelino Ferreira Torres, autarca modelo e adepto ferrenho do clube de futebol local, vai ser um dos concorrentes do programa, acumulando mais um cargo aos muitos que já deve possuir entre empresas municipais e privadas.

Consta que ele terá pedido a suspensão do seu cargo de Presidente da Câmara de Marco de Canaveses para poder partilhar com todos os portugueses o seu dia-a-dia, e quiçá, um dia poder-se candidatar a um cargo de âmbito nacional. Mas não é essa questão que me faz mais impressão. Então o homem faz promessas eleitorais, apresenta um programa e depois balda-se para ir participar num programa de televisão por 3 meses? Há quem faça a mesma coisa mas é para ir para 1.º Minitro de um país da treta e não para um concurso da treta.

Definitivamente ele deve ser tão competente que não vai fazer falta nenhuma na Câmara de Marco

Adeus e até nunca

Chegou ao fim mais um ciclo no PCP (julgo que o segundo ou quanto muito o terceiro): Carlos Carvalhas vai abandonar a liderança do partido e deixar um vácuo que será muito difícil de preencher. Poucos homens terão feito tanto pelo partido e pelo país como ele fez, e em homenagem a essa contribuição que ele deu para a consolidação da democracia em Portugal (e claro, também no PCP), deixo aqui pequenas referências às grandes contribuições que o seu trabalho trouxe à sociedade portuguesa.

Pois é, despois desta descrição exaustiva, só nos resta agradecer pelos serviços prestados à nação e deixar, para além do nosso obrigado, a esperança que possa ser substuído por outro homem com a sua elevada estrutura moral, social e politica. Espero que seja o Gerónimo de Sousa.

sexta-feira, outubro 01, 2004

Marx tinha razão

Na Holanda, um padre foi condenado judicialmente por ter abusado sexualmente de uma jovem de 12 anos, de forma continuada. Até aqui, e por muito que me custe dizer, nada de novo. Mas o Tribunal também decidiu que a igreja católica deveria indemnizar a vitima num valor ligeiramente superior a 50.000,00€, ou seja, trocos para o Vaticano.

O momento extraordinário desta história acontece quando a essa mesma igreja paga a referida indemnização e apresenta o caso à sua companhia de seguros para ser ressarcida. Motivo? Foi acidente de trabalho. Exactamente, acidente de trabalho. Afinal de contas os factos ocorreram no local de trabalho do padre e durante a sua hora de expediente, logo, deve ser considerado acidente de trabalho. Lógico.

Quer dizer que para a igreja, e em sede de enquadramento jurídico, o facto de um trabalhador cair na obra e partir o pé ou um padre violar repetidas vezes uma criança ao lado do confessionário, é exactamente a mesma coisa. É acidente de trabalho. E têm a falta de vergonha de defender esta tese públicamente somente para pouparem uns "trocos" (para eles, claro).

Definitivamente, Marx tinha razão.

quarta-feira, setembro 29, 2004

A culpa é do marketing

A propósito do aumento das despesas que o SNS vai ter ter com a comparticipação de medicamentos (quando estas deviam baixar com a introdução dos genéricos), o bastonário da Ordem dos Médicos, Dr. José Germano de Sousa, disse uma coisa extraordinária: "existem médicos que não resistem ao marketing agressivo das companhias farmaceuticas e prescrevem muitos antibióticos".

Mas andamos a brincar com a saúde (e as finanças) dos cidadãos ou quê? Não resistem ao marketing agressivo e como tal prescrevem medicamentos desnecessários? Ou com alternativas válidas mais económicas no mercado? E ninguém faz nada?

O sr. bastonário, na qualidade de lider da entidade que agrega todos os médicos a exercer em Portugal, não deveria tomar providências para que estas situações sejam detectadas e sanccionadas? Afinal de contas, ele sabe que esta é uma realidade e não há como escondê-la. Para credibilizar a classe e proteger os cidadãos (e já agora os deveres deontológicos dos médicos), é sua obrigação tomar uma posição. De outro modo, é-nos legitimo pensar que também ele, o sr. bastonário, faz parte desse grupo de médicos mais influenciaveis e que se sujeitam a fazer o "frete" de irem a congressos, organizados por essas companhias farmaceuticas, para as Maldivas.

terça-feira, setembro 28, 2004

"Battlestar Galactica"


Para nostalgicos com, pelo menos, 30 anos, informo que a SIC Radical está a transmitir às 3.ª feiras (22h) e ao Domingo (23h) a série "Battlestar Galactica", a original e não nenhuma das sequelas que se tentou aproveitar do êxito desta.

Para mim é um icone dos anos 80 e a semana passada vi o 1.º episódio sem querer. Foi com muita surpresa que verifiquei que os efeitos especiais, apesar dos mais de 20 anos passados, não são tão básicos quanto isso. Não são exemplares mas dão bem conta do recado.

Que saudades que eu tinha de ouvir um Cylon dizer "by your command".

E ainda gozam

Ainda sobre o caso da morte da Joana, tem-me feito imensa confusão este processo de ocultação do cadáver. O tio e mãe já confessaram o crime, agora colocaram outro tio no local do crime e, nos entretantos, tem-se dedicado a facultar informações erradas e contraditórias sobre o paradeiro do corpo da miuda.

Andam policias por todo o lado, mergulhadores na ribeira e aquelas bestas vão gozando com o trabalho que as suas mentiras têm dado.
Parece-me que estamos perante pessoas com uma escola de (má) vida muito grande, com cadastros, problemas de várias naturezas com a justiça, e que devem encarar esta situação como "mais uma". Nem o paradeiro do corpo da Joana facultam para lhe dar um pouco de dignidade na morte, já que não lhe deram em vida.

Esta postura enerva-me ao ponto de, sob pena de me chamarem fascista, propôr à PJ que ponha os tomates do tio num torno e vão apertando até ele dizer onde está a miuda. Vão ver que ele não só dá essa informação como ainda canta os números do totoloto da semana que vem.
Experimentem.

sexta-feira, setembro 24, 2004

A morte da Joana


Mais uma vez somos confrontados com uma noticia que nos choca. Uma mãe, por causa da módica quantia de 12,00€, dá uma tareia tão grande à filha qua acaba por a matar. Depois, e para ocultar tal facto, aparece nos orgão de comunicação social a dizer que lhe tinham raptado a miúda, é capa de jornais, noticia de abertura de telejornais e vai, inclusive, a programas de televisão demonstrar a sua "dor". Este comportamento é demonstrativo duma frieza animal e que deve merecer da sociedade a mais severa das punições (só não digo que lhe deveriam enfiar um ferro em brasa pelo rabo dentro até este lhe sair pela garganta porque desconfio que ela haveria de gostar).

Por outro lado, e mais uma vez, vem agora o povo dizer que já esperava que uma coisa destas pudesse acontecer um dia, que ela era má, batia muito na miúda e outras cobras e lagartos. A ser verdade tudo o que disseram da besta, quando é que será que vamos deixar de reger a nossa conduta por regras como "entre o marido e a mulher, ninguém mete a colher" (neste caso, mãe e filha), e começar a denunciar estas situações quando elas ocorrem? Quando é que vamos começar a apresentar queixas à policia quando temos conhecimento de condutas domésticas violentas? Sim, porque isto também é violência doméstica, pois esta não ocorre somente quando o marido bate na mulher.

As pessoas, enquanto cidadãos, têm responsabilidades para com os seus pares e para com a sociedade que têm de começar a assumir. Quantas mais Joanas terão de morrer para que compreendamos isto?

O exemplo dos professores


Perante o novo processo de colocação de professores e as condicionantes que serão atendidas para as selecções a fazer, surge mais um perfeito exemplo da nossa maneira de estar na vida.

Considerando que a existência de justificados motivos de saúde é considerada relevante para uma colocação dos professores mais perto de casa, está a ocorrer uma verdadeira avalanche de atestados médicos que comprovam que grande parte do corpo docente desta pais sofre das mais variadas maleitas, e como tal, não pode ser deslocado para longe de casa. É o famoso instituto do "atestado médico" a cumprir o seu verdadeiro papel social, ou seja, a avalizar as pretensões dos cidadãos que pagam uma consulta e em troca obtém um atestado com o teor que mais lhe convir. São as leis do mercado a funcionar.

Só lamento é que não haja uma real acção fiscalizadora (e de preferência, não coorporativista) sobre estes "doentes" e, se não se comprovarem os males de que aledamente padecem, sejam imputadas verdadeiras responsabilidades aos médicos que prestaram informações falsas a troco do preço duma consulta. Excepto no processo ocorrido há uns anos em Guimarães com alunos que se queriam livrar dos exames, nunca tal iniciativa foi tomada pelas autoridades competentes, Ordem dos Médicos inclusive.

Aliás, esta deveria ser a primeira a diligênciar no sentido de credebilizar a classe, mas infelizmente as coisas não acontecem assim.

quarta-feira, setembro 22, 2004

Quero lá saber de Olivença


O "Grupo de Amigos de Olivença" aproveitou o facto da Volta a Espanha em ciclismo passar nessa localidade hoje para lá se deslocarem e irem manifestar a sua posição que assenta num principio base: Olivença é Portugal.

Não vou agora discutir se isto é verdade ou não e como e porquê que aquele lugar está está hoje sob jurisdição espanhola. O que eu vi foi um pequeno grupo de portugueses a fazerem uma figura triste a tentar "vender" a sua posição distribuindo panfletos alusivos ao assunto.

Ora, é claro que não foram bem recebidos porque o povo daquela terra sente-se e é, hoje, espanhol, portanto recebem uma iniciativa desta natureza com desprezo.
Independentemente do que ocorreu no passado, no nosso presente é descabido estarmos a levantar esta questão porque o tempo de o fazer já passou há muito. Daqui a bocado temos os marroquinos a reclamar uma qualquer parte do Algarve como sua porque os lusitanos cometeram uma ilegalidade para a sua conquista. É ridiculo.

Por outro lado, aquele povo não quer nada connosco pelo que, penso eu, também não os queria nem dados. Faz-me lembrar a situação de Barrancos, quando as suas gentes falam mal de Portugal e enaltecem os espanhóis por causa dos touros de morte. Estão mal? Mudem-se. Vão para Espanha, corrija-se a fronteira e entreguem aquele pequeno pedaço de terra aos noutros hermanos. Não fazem cá falta nenhuma. O importante é que mantenhamos a produção de enchidos daquela região, tudo o resto que se lixe.

Agora é à mão

Esta história da (não) colocação dos professores tem um grande potencial para se tornar numa comédia clássica, do género daquelas que produziamos há 50/60 anos atrás e que eram protagonizadas p.e. por António Silva ou Vasco Santana. São colocações que saem mas não saem, promessas de publicação na net com subsequentemente são retiradas 30 minutos depois de serem disponibilizadas, etc. etc. Não fossem as consequências graves que daqui advém, tanto para os alunos e respectivas familias, mas também para os professores, isto dava uma grande vontade de rir.

Para ajudar a este enredo burlesco, agora todo este processo vai ser realizado manualmente porque, manifestamente, o software encomendado não está operacional. Nem quero imaginar os problemas que por isso poderão surgir, mas prevejo que serão muitos.

Perante este cenário, a piada mor vai acontecer quando chegarmos à conclusão que ninguem vai ser devidamente responsabilizado por tudo isto.

sexta-feira, setembro 17, 2004

Um ponto atrás? Já ganhou.


Uma sondagem efectuada nos EUA colocam John Kerry somente um ponto à frente de George W. Bush. Perante este cenário parece-me que estas eleições já estão decididas. O W. vai ganhar de uma forma, mais ou menos, confortável.

Como se viu nas ultimas eleições americanas, o partido republicano (Bush pai e amigos) têm uma estrutura tão bem montada que será necessário que o J. Kerry tenha 10 pontos percentuais a mais que o W. para o poder derrotar. É sabido que estamos a falar da melhor democracia do mundo, de um pais altamente instruído e cuja população faz parte da elite cultural mundial. Não existe qualquer possibilidade de os instrumentalizar/enganar, e por mais que se tente falar no assassinato de J.F. Kennedy ou das ultimas eleições presidênciais para denegrir a sua imagem, os "intelegentes" sabem que tais insinuações não correspondem à verdade. Kennedy não foi assassinado: teve um ataque cardiaco tão fulminante que lhe rebentou com uma veia na cabeça, e nas ultimas eleições presidenciais o Al Gore não poderia ganhar porque é sabido que as ditas minorias étnicas que constituem a maioria do povo da Flórida votam, tradicionalmente, nos republicanos. Logo, havia que contar os votos as vezes que fossem necessárias até se chegar a essa conclusão.

Perante esta realidade, o Kerry pode começar a pensar em desfazer as malas porque não vai a lado nenhum, a não ser que consiga convencer uma maior quantidade do eleitorado que ele constitui uma melhor opção que o W., o que só por si constitui uma tarefa de Hércules porque o "american people" revê-se na elevada autoridade moral e intelectual do seu actual presidente.

segunda-feira, setembro 13, 2004

Descubra as diferenças

Ontem, durante mais uma das suas concorridas sessões de esclarecimento e perante uma imensa audiência de, mais ou menos, vinte pessoas, João Soares saiu-se com mais uma pérola do seu, já vasto, reportório.
Atrapalhado por ter sido confrontado com um seu militante do PS que, ao contrário dele, eras contra a legalização da prática de aborto, o joãozinho saiu-se com a frase da semana, quiçá, do mês: "o aborto é uma coisa e a interrupção voluntária da gravidez é outra".

É mais ou menos como a diferença entre o esparguete à bolonhesa e o esparguete cozido acompanhado por carne picada refogada com molho de tomate.

Genocídio (parte II)

O genocidio continua. Por mais que se tente pressionar o governo do Sudão, este faz orelhas moucas e continua a apoiar as milicias Janjaweed que até à data já terão violado, morto e estripado mais de 50 mil pessoas. Seja nas aldeias ou nos campos de refugiados onde as populações se tentam proteger, estas milicias têm carta branca para perseguir e matar quem muito bem entenderem. Quanto à comunidade internacional, esta continua a demonstrar uma total ineficácia no que respeita a questões desta natureza.

O exemplo do Ruanda nos anos noventa de nada serviu. Continuamos a permitir que estas coisas aconteçam porque estamos condicionados pela hipócrisia inerente à politica internacional. No Ruanda foi a inércia do de Bill Clinton e agora é a Rússia e a China que vetam qualquer medida de força que se pretenda tomar no âmbito do Conselho de Segurança da ONU. Tudo porque estes paises têm importantes relações comerciais (petróleo) com o governo sudanês. Enquanto isso, centenas senão milhares de pessoas vão sendo perseguidas, violadas e mortas diáriamente.

Perante o que se passa no Sudão e no Iraque, apetece-me perguntar qual a cotação da vida humana nos mercados internacionais? Seguramente, será inferior à do petróleo.

terça-feira, setembro 07, 2004

Mais um

Definitivamente o sapo está uma verdadeira porcaria. Depois de 4 dias a tentar publicar um post, desisto.
Volto ao blogger porque, até ver, este nunca me deixou ficar mal.

Pilula do dia seguinte

A pilula do dia seguinte é um medicamento dito de urgência (S.O.S.) que visa acautelar uma situação na qual não existiram as precauções devidas. Devido à sua alta dosagem, o seu uso reiterado, ao contrário do das pilulas convencionais, pode vir a ter consequências secundárias graves nas mulheres (até um eventual infertilidade futura).

Após 5 anos no mercado nacional (desde 1999) soube-se agora que já foram vendidas mais de meio milhão de embalagens da pilula do dia seguinte, com a agravante da grande fatia dessas vendas incidir sobre as duas marcas que vendem o produto sem exigir receita médica (a que exige é a quem tem menos vendas). Face a estes números, as entidades oficiais dizem que os portuguese estão a utilizar esta pilula como um método normal de contracepção e não como um método de urgência, ou seja, em deterimento da pilula convencional, preservativos ou outros, os portugueses usam a pilula do dia seguinte, sem qualquer tipo de supervisão médica e fazendo tábua rasa de todas as suas contraindicações.

Faz parte da nossa mentalidade "tacanha".

Numa altura em que se discutem tanto os direitos pessoais de cada um, talvez devamos meditar sobre esta realidade.